faleconosco@tudoparamulher.net

Uma história sobre recomeços...

Uma história sobre recomeços...

Uma história sobre recomeços...

1598 0

Recomeçar... Ao longo dos meus 41 anos de vida, recomeçar vem sendo um verbo conjugado em vários tempos e hoje resolvi escrever um pouco sobre isso (...) Sim, porque tal qual uma fênix, venho sobrevivendo ao caos externo e falar abertamente sobre isso é também um processo de cura.

Além de todas as experiências que venho vivendo após o falecimento trágico do meu pai, dos altos e baixos emocionais causados pelo externo cujas influências, a vida toda, busquei sobrepor e construir o meu caminho, fiz as minhas escolhas. Mas, assim como afirma Cortella (2018, p.97) “toda vez que escolho, eu abdico (...). É impossível escolher tudo”, assim eu sigo, aceitando o resultado das minhas escolhas e acreditando que não posso dar conta de tudo. Afinal, apesar de ser forte (como boa sagitariana que sou), sou humana.

Lisboa, 2017
Lisboa, 2017

Ao longo da minha caminhada, superei muitos obstáculos – muitos deles, somente eu, intimamente, sei. Foi difícil estar só. As minhas escolhas foram guiadas por meu anjo da guarda, não tenho dúvidas disso, como também tenho fé em Deus e isso me deu o suporte para procurar entender os desígnios que cumpriam. Com o passar do tempo, eu também passei a entender (a partir dos ensinamentos espíritas) um pouco da minha missão por aqui e isso passou a me oportunizar a libertação de umas coisas, mas também me chamou à responsabilidade sobre minhas ações e reações.

Redondela, caminho de Santiago de Compostela

“Bem-aventurados os que choram porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque serão saciados. Bem-aventurados os que sofrem perseguição pela Justiça porque o reino dos céus é para eles” (São Mateus, cap. V, v. 4, 6 e 10). No capítulo V Bem-Aventurados os aflitos, do Livro dos Espíritas, há uma reflexão que é necessária para os momentos de recomeços, como o que estou passando, e afirmo, com toda certeza de um testemunho vivo, por mais que doa, quando se tem fé, você consegue enxergar uma luz ao fim do túnel. Por vezes esse túnel é longo, apertado, inóspito e que faz com que nossos medos mais profundos surjam, mas é nesse momento que descobrimos que a fé nos dá o suporte necessário para seguir.

Hoje posso afirmar com toda certeza que as dores físicas que sinto hoje, como a crise de fibromialgia aguda (“ganhei” esse presentinho em meus 20 poucos anos, quando achava que conseguiria mudar o mundo e resolver todos os problemas da minha família, problemas esses provocados por escolhas deles, as quais, neste momento, assumo impiedosamente), nada mais são do que os sentimentos guardados a sete chaves. Nesta sociedade egoísta, individualista e doente na qual vivemos, tudo acaba refletindo em nosso ser físico e espiritual.

Fiz escolhas ao longo da vida, entre elas está não ter filhos, casar depois de ter conquistado a minha independência financeira, abrir mão de fazer concurso em meu Estado de origem (sou brasiliense de nascimento) e ainda seguir a carreira de professora, vocação que exige muito estudo e dedicação. De cada uma delas colho os frutos e, como afirma Cortella (2018, p. 96) ”O sonho é um dos elementos a serem levados em conta para que a gente constitua o olhar sobre a oportunidade”. Foi desse jeito que venci muitos obstáculos e também é assim que continuo buscando sonhar para construir uma vida em meio ao caos. 

 

Pontevedra, caminho de Santiago de Compostela

Afirmo que é preciso ter foco, “pois é ele o horizonte da minha pré-ocupação” (CORTELLA, 2018). É nessa objetividade e com fé que conseguimos superar as adversidades das nossas vidas, escolhas que não são nossas, mas que, pelo nosso papel neste plano, devemos aceitar e assumir, não passivamente por simples diletantismo alheio, mas porque Deus é Pai e nunca nos desampara. Poder, hoje, escrever a vocês é o mesmo que gritar para o mundo lá fora que eu sigo firme e que você também pode aprender com a dor, superá-la, seguir e ser FELIZ, pois “a fé no futuro pode consolar e levar à paciência” (KARDEC, 1804-1869).

É o que desejo a todos vocês, que cada um, por seus motivos particulares, caso se encontrem em dificuldades, creiam que irão superar e ter a oportunidade de RECOMEÇAR!

Praia de Faro, Portugal 2017

Foto destaque: asnovenomeublog.com
Fotos internas: acervo pessoal da autora

Publicações Relacionadas

Há vida após o câncer

Conheça a história de Talita Dalpra, um linda jovem que tirou da doença inspiração para a vida.

Engenheira Eletricista após os 50

Não teve filho, marido, preconceito nem machismo que impedisse Sandra Azevedo de realizar os seus sonhos.

Três passos para a alta performance profissional - Parte I

A capacidade de superar rejeições poderá ser muito útil se você perceber que receber um “não” é uma oportunidade de crescimento.

Seja o primeiro a comentar

ENVIAR UM COMENTÁRIO

PORQUE MEU COMENTÁRIO NÃO APARECEU?

Os comentários do portal são moderados, então podem demorar um pouco a serem autorizados. Comentários ofensivos não são publicados.